Na cracolândia, sem gato

E como não se pode esquecer que o mundo tem um pezinho e meio na hipocrisia ariana, é bom lembrar que nas cracolândias da Bahia de Todos os Santos e Orixás não há crackeleiro gato com teor de apelo suficiente para que clínicas de desintoxição do Brasil inteiro se interessem em fazer merchandising como aconteceu com o tal ‘mendigo gato’ de Curitiba, adotado imediatamente.

#
Todas as grandes metrópoles brasileiras viram explodir nos últimos três ou quatro anos uma bomba relógio em suas regiões centrais: as cracolândias. O tema tem sido frequentemente agendado pela imprensa, chegando às primeiras páginas dos jornais, às manchetes dos sites e às escaladas dos telejornais em pelo menos três momentos distintos recentes: quando a prefeitura de São Paulo tentou remover literalmente da noite para o dia os usuários de crack da região do Bom Retiro, quando um dependente de crack no centro de Curitiba virou febre nas redes sociais graças ao fato de ser bonitão, branco e ter olhos claros, e quando, recém-eleito, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, resolveu que era hora de enfrentar a sua cracolândia.

O crack, como qualquer pessoa sensata sabe, representa hoje uma questão tentacular, multifacetada e extremamente complexa para qualquer gestor público. Há até mesmo governantes que prefiram pegar uma ponguinha no problema para atribuir os índices vertiginosos de homicídios em seus territórios ao consumo e tráfico do crack. Em Salvador, não faz muito tempo, estampou-se outdoors exibindo o pé de um cadáver ilustrando a informação de que 80% dos homicídios da cidade eram em decorrência do crack. Sim, o crack é um problema de segurança pública, de saúde pública, de saúde mental, tema de ampla inquietação social e que exige, inclusive, a ação do Ministério Público, do poder Judiciário, para que seja conduzido com o mínimo de equilíbrio diante da infinidade de polêmicas que gera, como, por exemplo, quando se trata da questão de prender ou internar e se tal internação deve ou pode ser voluntária ou involuntária. Mas daí a considerá-lo como o elemento responsável por 80% dos homicídios na grande Salvador, ‘menos, cara pálida, menos’.

O fato, no entanto, é que a gestão que se formata a partir do resultado das urnas há uma semana não pode adiar um dia sequer, já na fase de transição, a inclusão do debate sobre o enfrentamento do crack e das cracolândias em Salvador. Salvador é uma cidade essencialmente turística e não adianta chamar os deuses e artistas coroados da terrinha abençoada por Senhor do Bonfim para fazerem, mesmo de graça, uma campanha publicitária para trazer visitantes para a cidade, se quando estes colocarem um pé no Pelourinho forem recepcionados por zumbis dispostos a qualquer coisa para trocar por uma pedra de crack na próxima viela.

E como não se pode esquecer que o mundo tem um pezinho e meio na hipocrisia ariana, é bom lembrar que nas cracolândias da Bahia de Todos os Santos e Orixás não há crackeleiro gato com teor de apelo suficiente para que clínicas de desintoxição do Brasil inteiro se interessem em fazer merchandising como aconteceu com o tal ‘mendigo gato’ de Curitiba, adotado imediatamente. O tal só teve o tratamento que teve pelo tom de pele, pelos traços nórdicos e pela cor dos olhos. Até sua nomenclatura foi alterada, pois deveria atender, sobretudo pela imprensa, pelo que de fato é/era: um crackeleiro branco.

Malu Fontes é jornalista e professora de Jornalismo da UFBA

02.11.2012 | Atualizado em 02.11.2012 – 01:42
Texto Publicado Originalmente no Correio

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s